quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Cogumelos macro


Macrolepiota Procera

Apesar de este ser um ano muito atípico na vida deste blogue, achei que era chegada a altura de mais uma vez falar aqui de cogumelos ;)  Curiosamente, os postes sobre este tema, tão marginal aos assuntos do blogue, estão sempre entre os mais visitados por aqui (talvez por serem tão poucos).
Este ano, não acompanhei todo o período de safra de cogumelos e houve espécies que não cheguei a encontrar, mas em compensação, foi o ano em que vi brotarem mais exemplares, da espécie Macrolepiota Procera. Encontrei-os por várias vezes em grupo no sítio habitual, um pequeno bosque maioritariamente de sobreiros, não muito longe de casa, aqui na Bairrada.


Fazendo jus ao nome, são enormes e ótimos comestíveis, conhecidos em todo o país sob variadas designações - frades, roques, púcaras, tortulhos, peneiras, gasalhos, marifusas, capões - mas nenhuma me parece tão sugestiva da forma como o nome popular inglêsparasol.
Se é verdade que se tornam muito visíveis quando adultos, enquanto jovens têm um certo mimetismo com as folhas secas e passam facilmente despercebidos.

Exemplar muito jovem

Normalmente deixo-os ficar até abrirem o chapéu e libertarem os esporos, mas este ano vi-os a serem atacados pelas lesmas e, antes que elas devorassem este mimoso pitéu até ficar só o pé, colhi adultos e jovens, deixando apenas ficar os já estragados e os mais velhos para garantir a reprodução.


Como já aqui disse no primeiro poste que dediquei aos cogumelos, quando vi esta espécie no campo pela primeira vez, não tive qualquer dúvida na sua identificação. Trata-se de um cogumelo grande, cujo chapéu chega a ser do tamanho de um prato raso, e o pé é muito alto e fino. Tem um anel móvel, lâminas brancas e o pé e chapéu são em branco pardo com tons acastanhados que, no caso do chapéu, são escamas que se soltam.



Resolvi fotografar um chapéu bem aberto sobre um prato raso para se avaliar bem o tamanho que eles atingem. Mal se vê o prato!


Depois de cozinhado, neste caso grelhado com um fio de azeite e umas pedras de sal, reduziu um pouco o tamanho, mas ainda compõe muito bem o prato.


Aqui fica para olhos apreciadores esta iguaria do reino dos macrofungos, que aparece por todo o país e não é difícil de identificar. Mas atenção a todas as caraterísticas do Macrolepiota Procera! É que há outros lepiotas que, apesar de minis, podem fazer estragos...

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O Museu do Açude e a Fábrica de Santo António, Porto

Fotografia retirada da internet

Na minha recente passagem pelo Rio de Janeiro, no final da visita que fiz à minha família "brasileira" estabelecida num estado do Sul, desafiei-os para irmos todos até ao Museu do Açude na Floresta da Tijuca.
Tive conhecimento da existência deste museu através do blogue Azulejos antigos no Rio de Janeiro, do Fábio Carvalho. Tinha lá visto inúmeras fotos por ele publicadas em vários postes sobre o museu, e fiquei cheia de vontade de ir pessoalmente ao local logo que tivesse oportunidade.


Alpendre onde se expõem cerca de duas dezenas de ornamentos cerâmicos de origem portuguesa.
Só a ida até lá já foi uma bela experiência que agradou a todos, dada a localização daquele complexo de edifícios numa extensa propriedade bem cuidada, envolvida pela vegetação luxuriante da Mata da Tijuca. Pertenceu a um magnata e colecionador de arte brasileiro de nome Castro Maya e é hoje um dos Museus Castro Maya, a par do Museu da Chácara do Céu, situado em Santa Teresa, que também visitámos. Cada um deles alberga coleções de arte reunidas por Raymundo Ottoni de Castro Maya (1894-1968), distinguido-se o Museu do Açude pelas coleções de cerâmica, desde a azulejaria de várias épocas e origens até à porcelana chinesa, à faiança inglesa e aos ornamentos arquitetónicos de origem portuguesa provenientes do Porto e Gaia.


Foram objetos como este, de fabrico português - que pudemos apreciar tanto em espaços interiores, como no exterior dos edifícios que formam o Museu - que me despertaram o interesse em fazer a visita. Mas também lá pude ver beirais com telhões de faiança e belíssimos painéis de azulejos, como estes neo-clássicos que são complementados por dois globos em faiança com a marca de Santo António, Porto, ou seja, a nossa velha conhecida fábrica gaiense de Santo António de Vale da Piedade.


Apesar da beleza dos azulejos e da profusão de painéis, coleção que o Fábio Carvalho tem devidamente documentada no seu poste, interessou-me sobretudo fotografar os artefactos cerâmicos de ornamentação arquitetónica - vasos, globos, leões, figuras alegóricas - que, ao contrário dos azulejos, tinham a sua origem portuguesa bem identificada, na sua grande maioria com o nome de Santo António Porto.










Mas também Miragaia, Devezas (de José Pereira Valente) e Cavaquinho ali estão representadas.




E também os fabulosos telhões de faiança, tanto em exposição...



 


... como aplicados nos beirais.

Duas decorações muito comuns em telhas de beiral azul

Decoração em policromia com motivo de pássaros e estrelas
Verifiquei que dos vários leões em faiança que se encontravam espalhados pelo exterior, em pé, sentados ou deitados, havia exemplares marcados Santo António e outros com marca Miragaia. Já sabemos como as duas fábricas estiveram próximas, não só na localização - uma de cada lado do rio Douro - mas também na gestão e na produção, sobretudo durante uma década (1824-1833) em que estiveram nas mesmas mãos, a família Rocha Soares. Mais tarde, após o fecho da Fábrica de Miragaia, em 1850, acredita-se que foi Santo António de Vale da Piedade que herdou os moldes e muita da mão de obra dali proveniente. (1)







Daí que não nos deva surpreender encontrarmos quer uma quer outra marca nos simpáticos leõezinhos brancos dos jardins do Açude, assim como em vasos ornamentais expostos no alpendre.
E depois havia leões amarelos, com um ar muito patusco, que não cheguei a ver se estavam também marcados... e agora tenho pena.


Finalmente, à entrada do outro museu, a Chácara do Céu, deparámos logo com dois magníficos cães de faiança a ladear o portão de entrada.
E...adivinhem...




















Estão também marcados Santo António Porto!

Sendo por muitos conhecido como o Brasil foi o principal destinatário das cerâmicas portuenses de uso arquitetónico, ao longo de todo o século XIX, a participação nesse processo da Fábrica de Santo António de Vale da Piedade penso que fica aqui devidamente ilustrada, graças a este acervo tão especial do Museu do Açude.

O que resta da Fábrica de Santo António de Vale da Piedade em Vila Nova de Gaia
(fotografia de ruinarte)

(1) Catálogo da exposição Fábrica de Louça de Miragaia, Museu Nacional de Soares dos Reis

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Rosas cor de rosa... por uma boa causa! - Pink roses...for a good cause!


Estamos no mês de Outubro, o mês dedicado internacionalmente à Luta Contra o Cancro da Mama ou Breast Cancer Awareness.
Como aconteceu já no ano passado, a Sandi, do blogue  Rose Chintz Cottage que há anos organiza semanalmente o Tea Time Tuesday, propôs este tema para o chá desta semana.
E assim, chego atrasada, mas não podia faltar... 
Como é hábito, participo também no Tea Cup Tuesday e no Tuesday Cuppa Tea com as suas simpáticas anfitriãs Martha, Terri e Ruth.
Com o rosa como tema, a opção que para mim se tornou mais óbvia na escolha da loiça para o chá foi a faiança inglesa chamada pink lustre, conhecida por cá como lustrina rosa.


aqui trouxe vários exemplares de lustrina inglesa, um tipo de decoração de loiça no século XIX que recorreu ao brilho metálico do cobre e de outros metais para proporcionar às classes menos endinheiradas a ilusão do luxo e da riqueza, evidentemente só acessível aos grandes burgueses e aristocratas.


Uma das chávenas que escolhi para este chá, já participou num poste comemorativo do bicentenário de Charles Dickens, mas a outra, oferta de um querido amigo, que achou que ela era "a minha cara":)), vem como vedeta, em estreia absoluta! 


É do tipo London shape, com a caraterística e elegante pega, um formato muito utilizado pelos fabricantes ingleses a partir do início do séc. XIX.  Também  muito típica da produção inglesa é a concentração da decoração no interior da chávena, ficando o exterior apenas avivado por um delicado motivo em silva. 


Curiosamente, tem para além da lustrina rosa um filete a amarelo, um pormenor que eu nunca tinha visto noutros exemplares deste tipo.



 Como a maior parte desta produção, sediada sobretudo em Staffordshire, nenhuma destas loiças está marcada, apenas cada um dos pires apresenta um número de padrão na mesma cor da decoração.


 Uma jarrinha muito antiga de vidro opalino (ou coalhado?) decorada com rosas e outras flores, a que se juntaram botões de rosa naturais,veio alegrar a mesa, num dia cinzento, bem outonal.


E cá está o chá servido! Chá verde acompanhado de um biscoitinho de maçã e sultanas não estraga a saúde a ninguém...




Deixo-vos com rosas do meu jardim...

   ...e  o laço cor de rosa.  Boa semana!

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Um "cantão popular"... à inglesa?

Muitas vezes os postes do Luís  no Velharias dão-me logo ideias para coisas que acho giro publicar, só que depois instala-se a inércia, falta a vontade para desenvolver - fotografar, confirmar dados, escrever - e... fico-me por aí.


Esse estímulo aconteceu novamente com a belíssima travessa inglesa W. Smith & Co. que ele publicou na semana passada. E desta vez, como uma espécie de prenda de aniversário do Velharias, resolvi mesmo avançar :) Assim espero retribuir um pouco o prazer que o Luís nos proporciona com a partilha de tantos objetos interessantes, trazendo aqui uma peça da sempre apreciada faiança inglesa, num padrão que é dos favoritos de muita gente que aqui passa.


Quando vi esta travessa numa banca em Coimbra, pensei tratar-se de mais um exemplar do nosso cantão popular, mas logo a vendedora me informou que não era portuguesa. De qualquer forma, bastou-me virá-la para reconhecer a marca Davenport gravada no tardoz. Tinha contas a acertar com a senhora por causa de uma troca, por isso fiquei contentíssima com o achado.

Marca da travessa

Só que, ao chegar a casa, quis ver com uma lupa os pormenores da marca para saber a época de produção. No caso Davenport, muitas das marcas com a âncora gravada na pasta encimada pelo nome Davenport têm algarismos de um e outro lado da âncora que indicam o ano de fabrico.
E aí começaram as dúvidas. Em primeiro lugar, não conseguia reconhecer na palavra as primeiras letras que formam Davenport; em segundo lugar, os algarismos que ladeiam a âncora, um 1 e um 5, apontariam para 1815, o que eu nunca tinha visto em inúmeras outras marcas do género.
É certo que a empresa foi fundada por John Davenport no final do séc. XVIII (1793) e por aí tudo bem. A travessa com um ar até algo primitivo dentro da faiança inglesa, decorada por estampilha com pinceladas à mão e muitos pormenores à mão livre, podia muito bem ter sido produzida pela Davenport nessa data. O que me causava estranheza era que uma marca tão recuada já incluísse  algarismos a ladear a âncora. Eu só conhecia exemplares do anos 30 aos anos 60 do século XIX , daí ter ficado com a pulga atrás da orelha.

Marca com data de 1860
e de 1836

Ao saber do caso de contrafação exemplificado pela travessa do Luís, comecei a achar que também a minha travessa podia ter uma marca falsa Davenport. E vai de procurar marcas de âncora na internet e no meu livro inglês de marcas,  de queimar as pestanas a decifrar pormenores com o nariz colado ao écran, ou de lupa em punho a percorrer todas as minhas peças Davenport, ou ainda de pesquisar informação no site the potteries.org. Tudo sem resultado, ou seja, não encontrei qualquer informação sobre contrafação deste fabrico, nem qualquer marca idêntica  a esta que não fosse Davenport. A que mais se assemelha talvez seja a da fábrica espanhola "la Cartuja de Sevilla" de Pickman y Cia, mas se atentarmos nos nomes e noutros pormenores, não se podem confundir.
Acabei por encontrar marcas incisas, mesmo nas minhas peças do padrão Rhine (Reno) já aqui mostradas,  com  letras e algarismos pouco claros, só que nunca me levantaram dúvidas por terem, além desta marca, uma outra a azul com o nome bem legível.



Acho esta segunda marca da âncora muito semelhante à da travessa de hoje.
E nestes  dois pratos com motivos florais vê-se como a palavra Davenport incisa nem sempre está clara e completa.





Ufa! Fiquei novamente convencida de ter adquirido uma travessa Davenport genuína e bem recuada.
Continuo intrigada com o tal 15 e com o processo de decoração a estampilha numa altura em que já se usava há muito o transfer printing em Inglaterra, mas, quem sabe, um dia qualquer esbarro numa explicação para o facto...
Voltando à travessa com o seu desenho Cantão, tem um  tamanho (41x32cm) muito usável, sobretudo se considerarmos as famílias numerosas de antigamente, daí as  muitas marcas de uso no vidrado e em todo o tardoz.
Para além da decoração da aba, tão típica das nossas faianças da mesma família, várias motivos nos são sobejamente conhecidos.


















Por incrível que pareça, este padrão com os  vários elementos assim simplificados, quase esquemáticos,  acabou por ter continuidade na nossa mais tosca faiança popular, como é o caso do exemplar que se segue, bem velho e usado, mas talvez 100 ou cento e tal anos mais novo do que o desenho inglês que lhe pode ter servido de modelo.




Mais uma foto da marca da travessa
 Já depois de ter publicado este poste, depois dos comentários do Luís e do Manel e depois de ter dado mais umas voltas por sites e imagens da internet, continuo a achar a travessa muito intrigante e vou resumir o que tenho como certo neste momento:
. trata-se de uma travessa em loiça pó de pedra ou faiança fina com uma marca que parece inglesa;
. não parece ser produção Davenport, dou razão ao Manel, não só pela marca, mas sobretudo pelo tipo de decoração - só tenho encontrado faiança do tipo transferware deste fabrico, mesmo a mais recuada;
. o motivo tem origem no cantão chinês mais tardio, mas apresenta o pormenor das nuvens (?) sobre a água, que só encontro no cantão popular português.