quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Faianças da Fábrica de Alcântara

Houve um tempo, há cerca de dez, doze anos, em que a loiça da Fábrica de Alcântara exercia um certo fascínio sobre mim, mas sempre que via peças desse fabrico à venda, achava-as muito caras e lá ia resistindo. A certa altura comprei um prato rachado num antiquário da Figueira da Foz porque adorei o motivo decorativo, o motivo PAIZAGEM. A partir daí adquiri mais algumas peças, com um ou outro defeito, mas sem por isso perderem o encanto original. Achava muito interessante algumas das marcas terem escrito LOUÇA À INGLEZA a par do nome da fábrica. Era o reconhecimento inequívoco da influência da produção cerâmica britânica no fabrico nacional de faiança fina.


Através da obra Marcas da Cerâmica Portuguesa, de José Queirós, da Livraria Estante Editora, 1987, tomei conhecimento de que a fábrica tinha sido fundada em Lisboa, em 1885, por dois sócios, Stringer e Silva, daí a primeira  marca com os dois S das suas iniciais, mas logo no ano seguinte fora transferida para outras mãos, passando a usar as iniciais L & C de Lopes & Cª na nova marca.
Mais não sabia, e por isso, quando decidi fazer um post sobre estas faianças, não dispondo de bibliografia sobre o assunto, fui procurar informação nas páginas da internet.
Assim fui ter ao blogue A Fábrica de Louça de Alcântara: breves notas sobre a sua produção e foi lá que encontrei a informação disponível sobre a fábrica, resultado de um levantamento de peças, marcas e motivos, e paralelamente uma investigação de documentos em q esta unidade fabril é referida.
Soube que o motivo decorativo  deste meu bule, decorado por estampa ou transfer-print num tom azulado, é suposto chamar-se papoilas, mas sem certezas por ainda não ter sido encontrado nenhum exemplar em que constasse, junto à marca, o nome do motivo. A data de fabrico, como a de todas as minhas peças, é certamente posterior a 1886, já que lá constam as iniciais da segunda sociedade a dirigir a fábrica: Lopes  & Cª.


Mais um bule, sem tampa mas em muito bom estado, ostentando uma decoração com ramagens, flores e espigas. Marca igual à do bule anterior. Motivo espiga? 
(Não, trata-se do motivo PRIMAVERA, segundo li bastante mais tarde no mesmo blogue sobre a faiança de Alcântara).


O prato raso que se segue é decorado com o motivo Egypcio, segundo informação do blogue referido.
Este motivo ou padrão decorativo teve origem, como muitos outros,  na produção inglesa, tendo sido utilizado, também a castanho, pela Copeland, antiga Spode, em 1855. Chamaram ao padrão Honeysuckle ou Empire.


 

Também segundo o blogue acima referido, é o motivo PHANTASIA que decora o bule e a terrina que se seguem, respectivamente em castanho e em verde. Embora todos os motivos acima apresentados sigam as tendências artísticas da época, final do séc. XIX,  é neste motivo que se percebe melhor a influência dos modelos ingleses que seguiam o Movimento Estético (Aesthetic Movement).




É um estilo muito ligado ao movimento Artes e Ofícios (Arts and Crafts), pode-se dizer uma primeira versão inglesa da corrente estética Art Nouveau, que surgiu como reacção ao gosto vitoriano, muito enfeudado  a estéticas revivalistas do passado, tanto clássico como medieval.
É interessante verificar que a própria marca , quer  do bule, quer da terrina PHANTASIA, tem escrito LOUÇA À INGLEZA e não FAIANÇA FINA como as restantes peças.
O prato abaixo, inglês como se vê na marca, foi fabricado entre 1868 e 1883 por Wedgwood & Cº (não confundir com Wedgwood Etruria de Josiah Wedgwood) e os elementos da decoração denominada BEATRICE - ramos, flores, fitas, arabescos à maneira oriental - são semelhantes aos das anteriores peças Alcântara.



É de notar, por curiosidade, que  para além da marca de fabrico, este prato ostenta a Patent Office   Registration Mark, uma marca em forma de losango presente nos produtos industriais ingleses entre 1842 e 1883, como já referi num post anterior. A cerâmica pertence à classe IV,  que se vê a encimar o losango, e quanto aos números e letras em cada ângulo do losango, dão informação precisa sobre o dia, mês e ano de registo do produto. Neste caso o J corresponde a 1880.


13 comentários:

  1. olá boa tarde.

    não deixo de olhar para este post com bastante interesse, pelo facto de estarem presentes peças de formato que considero algo invulgar para a fábrica em causa, nomeadamente os bules.

    como se isso não fosse suficiente, os bules apresentam ainda duas das decorações que mais aprecio no que toca a motivos produzidos pela Fábrica de Louça de Alcântara, razões pelas quais gostaria de lhe deixar os meus parabéns.

    Mercador Veneziano

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelo seu amável comentário. Fico satisfeita por ter achado as minhas peças interessantes, tanto mais porq se trata de um entendido nestas faianças. Não fazia ideia q os bules são mais raros q outras peças, mas efetivamente não tenho visto muitos. Também gosto especialmente das decorações dos bules e é uma pena não termos a certeza do nome da primeira. É q aquelas flores não são papoilas, por isso esse nome não me parece muito credível, mas à falta de melhor...
    Votos de um excelente 2011.

    ResponderEliminar
  3. olá.

    pois é, o pseudo-motivo Papoilas ainda está por confirmar, já que ainda não tive acesso a nenhuma peça com o nome estampado junto ao carimbo. só resta esperar que entretanto surja alguma peça que identifique o motivo...

    por outro lado, o seu prato Paizagem era um motivo do qual desconhecia o nome, pelo que fiquei bastante satisfeito com o seu esclarecimento e agradeço também a partilha de fotos.

    muito obrigado.

    Mercador Veneziano

    ResponderEliminar
  4. Fiquei muito contente com o aparecimento do Mercador Veneziano. Assim já somos mais a publicar e a partilhar conhecimentos sobre faiança.

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Olá Boa Noite
    Deparei agora com este blog e pretendo felicitá-la pelo seu conteúdo e pelos magníficos bules.
    Sou um neófito nestas andanças das faianças e sempre achei muito interessante a Fábrica de Alcantara, pelo que começei a coleccionar.
    As peças que apresenta são notáveis pela sua beleza.
    Parabéns

    Jaime Regalado

    ResponderEliminar
  6. Caro Jaime Regalado,
    Seja bem vindo ao meu blogue! É sempre reconfortante receber a visita de outros entusiastas das nossas faianças e nest caso com palavras tão encorajadoras!
    A produção da Fábrica de Alcântara apresenta realmente motivos muito bonitos e diferencia-se logo da restante produção portuguesa.
    Deve ter belos exemplares na sua coleção e, quem sabe, ainda inicia um blogue para os poder mostrar!!!
    Pense nisso e tenha uma boa semana!

    ResponderEliminar
  7. Cara Maria Andrade
    O repto que me deixa é aliciante, mas o bloque do Mercador Veneziano está a ser um repositório de informação específica sobre alcantara, que eu penso que não fará sentido estar a criar um outro blogue. Tenho cedido fotos de algumas peças minhas e assim a informação não se dispersa.
    Estou entretanto a preparar uma publicação sobre as faianças de Alcantara e aí serei eu a pedir a gentileza de me deixar fotografar algumas das sus peças para complementar as minhas e de outros coleccionadores.
    Muito obrigado pelas suas palavras.

    Cumprimentos

    Jaime Regalado

    ResponderEliminar
  8. Caro Jaime Regalado,
    Pode desde já contar com a minha colaboração em tudo o que me for possível, nomeadamente na disponibilização das peças para fotografar, se achar que são merecedoras de figurar numa obra desse género. São sempre bem vindas novas publicações sobre cerâmica portuguesa e não tenho conhecimento de que exista alguma sobre a Fábrica de Alcântara, por isso desejo-lhe todo o sucesso para tal projeto!
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  9. Bom dia,

    Fico contente por encontrar velhos amigos neste blog e por haver mais alguém a partilhar as peças que encontra da Fábrica de Alcântara, também eu a colecciono, umas mais comuns outras mais raras, no caso fiquei com o olho na terrina, tenho 5 mas nenhuma com o motivo apresentado, que é fabuloso.
    Parabéns
    Luís Costa de Matos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Luís Costa de Matos,
      Não sei como me escapou este seu comentário, mas a verdade é que só o vi agora, isto é, 7 meses depois de o L.C. Matos o ter escrito.
      Lamento muito não lhe ter respondido na altura e de não lhe ter dado as boas vindas ao blogue, ainda por cima sendo um apreciador de faianças e colecionador de faianças de Alcântara.
      Tenho que andar mais atenta aos comentários...
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário.

      Eliminar
  10. boa tarde precisava de avaliar um prato de alcantara mandem me um mail para onde poderia enviar uma fotos por favor obrigado

    ResponderEliminar
  11. o meu email é
    motardxf@hotmail.com
    um avaliador preciso obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro motardxf
      O meu e-mail está no meu perfil, neste blogue, mas não sou avaliadora de louças de espécie nenhuma, por isso não vale a pena enviar as fotos para esse fim.
      Já que deixou aqui o seu e-mail, pode ser que apareça alguém que lhe queira responder.

      Eliminar